PT
    Boas práticas na indústria do Aço, para melhorar o bem-estar e a saúde dos trabalhadores

    OptimaSteel é um projeto coordenado pela INOVA+ e financiado pelo Fundo de Investigação do Carvão e do Aço. Esta iniciativa procura identificar e implementar boas práticas na indústria do Aço, que visem melhorar o bem-estar e a saúde dos trabalhadores de modo a terem uma melhor qualidade de vida – no emprego e na esfera pessoal.

    Trabalhadores de boa saúde e motivados mantêm-se no ativo e são mais produtivos por mais tempo, dando resposta às necessidades de uma população cada vez mais idosa.

    O perfil demográfico de uma população cada vez mais envelhecida exige medidas sustentáveis, designadamente ações de melhoria nos locais de trabalho que permitam aos trabalhadores ficarem no ativo até mais tarde na vida. A Comissão Europeia acredita que um envelhecimento bem-sucedido no trabalho resulta da implementação de boas práticas promotoras do bem-estar físico e mental.

    Trabalhadores expostos a fatores de risco como movimentos repetitivos no seu dia-a-dia, e a trabalhar sobre a pressão de cumprir prazos, como na indústria do aço requerem medidas urgentes de modo a melhorar a sua saúde e a qualidade de vida no trabalho.

    O consórcio do OptimaSteel irá identificar medidas adotadas na Europa, e em investigação, que promovem a ergonomia, uma melhor gestão do stress, o exercício físico e a adoção de uma alimentação mais saudável – será considerada uma metodologia holística que melhore a qualidade de vida dos trabalhadores mais velhos (50+). Uma demonstração piloto com a duração de 9 meses irá decorrer no Grupo PSA, visando a validação das medidas identificadas e selecionadas. É expectável que as soluções identificadas sejam adotadas e implementadas na indústria do aço após a conclusão do projeto.

    Coordenado pela INOVA+ (Portugal), o projeto integra como parceiros o Joanneum Research – Digital (Áustria), a European Federation for Welding, Joining and Cutting (Bélgica) e o Grupo PSA (Portugal).

    Este projeto recebe financiamento do Fundo de Investigação do Carvão e do Aço (RFCS – 2018) da Comissão Europeia sobre o acordo número [839990].